Guia de
Especialidades
Clínica Cirúrgica
Organizadores
Atílio G. B. Barbosa - Débora de Alencar Soranso -
Fernanda Antunes Oliveira - Victor Ales Rodrigues
Produção Editorial: Fátima Rodrigues Morais - Viviane Salvador
Coordenação Editorial e de Arte: Martha Nazareth Fernandes Leite
Projeto Gráfico: SONNE - Jorlandi Ribeiro
Diagamação: Jorlandi Ribeiro - Diego Cunha Sachito
Criação de Capa: Larissa Câmara
Assistência Editorial: Tatiana Takiuti Smerine Del Fiore
Revisão Final: Henrique Tadeu Malfará de Souza
Revisão: Marcela Zuchelli Marquisepe - Mariana Rezende Goulart
Serviços Gráficos: Thaissa Câmara Rodrigues
Organizadores
Débora de Alencar Soranso
Graduada em Medicina pela Universidade Anhembi-Morumbi.
Fernanda Antunes Oliveira
Graduada em Medicina pela Universidade Santo Amaro (UNISA).
Victor Ales Rodrigues
Graduado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).
Atualização
Viviane Aparecida Queiroz
Graduanda em Medicina pela Universidade Anhembi-Morumbi.
A Arte da Medicina ...................................................................... 5
O recém-formado ........................................................................ 6
Residência Médica no exterior ................................................ 7
1. Angiologia e Cirurgias Vascular e Endovascular............ 9
2. Cirurgia Cardiovascular ......................................................... 13
3. Cirurgia de Cabeça e Pescoço ............................................ 16
4. Cirurgia do Aparelho Digestivo .......................................... 18
5. Cirurgia Oncológica ................................................................. 21
6. Cirurgia Pediátrica .................................................................. 24
7. Cirurgia Plástica ....................................................................... 27
8. Cirurgia Torácica ...................................................................... 30
9. Coloproctologia ........................................................................ 32
10. Urologia .................................................................................... 35
ÍNDICE
5
A Arte da Medicina
A Medicina tem, como uma de suas raízes mais conhecidas, a desenvolvida
por Hipócrates, considerado o “pai da medicina”. Na Grécia Antiga, onde
viveu, desenvolveu inúmeras teorias e teve vários discípulos, alguns dos
pioneiros na arte de entender os sintomas causados pelas patologias.
A partir de então e à medida que os séculos passavam, surgiam mais ques-
tionamentos sobre as práticas médicas e a necessidade delas à população.
Na Idade Média, era comum o médico procurar curar praticamente todas
as doenças utilizando o recurso da sangria, principalmente com a utiliza-
ção de sanguessugas. Porém, nesse período, os conhecimentos avançaram
pouco, pois havia uma forte influência da Igreja Católica, que condenava as
pesquisas científicas e as considerava práticas demoníacas.
No período do Renascimento Cultural, nos séculos XV e XVI, a Medicina vi-
veu um notável avanço. Movidos por uma intensa vontade de descobrir o
funcionamento do corpo humano, médicos buscaram explicar as doenças
por meio de estudos cienficos e testes de laboratório. Posteriormente se
descobriu o funcionamento do sistema circulatório, e mais ensinamentos
foram desenvolvidos com base na anatomia e na fisiologia.
No século XIX, todo o conhecimento ficou mais apurado com a invenção
do microscópio acromático, pela qual Louis Pasteur alcançou um enorme
avanço ao descobrir que as bacrias são responsáveis por grande parte
das doenças.
Atualmente temos uma Medicina moderna e em constante renovão
por meio das pesquisas, nada comparável a tantos séculos de acúmulo
de conhecimento. É uma Medicina que proporciona maiores técnicas de
diagnóstico e medicamentos mais potentes e capazes de melhor combater
inúmeras doenças. Os procedimentos cirúrgicos contam com instrumen-
tos mais delicados e técnicas cirúrgicas menos invasivas que propiciam
melhoras mais rápidas no pós-operatório.
Trata-se de uma ciência mutável, que se constrói a cada descoberta. É com
estudos de décadas e a prática médica diária que a Medicina se renova e
quebra tabus. Mas, mesmo com os diversos progressos, muito ainda há
de ser descoberto ou reestruturado. São as infinitas doenças que acome-
tem o homem que permanecem precisando de tratamento ou mesmo de
diagnóstico. Muito se fez, mas muito ainda se fará por uma ciência tão no-
bre e enriquecedora, que representa a arte de curar.
6
A Medicina é uma profissão construída após 6 anos de estudo integral,
passando por suas cadeiras básicas e avançadas e pelo internato. São
muitos anos de dedicação e abdicão, mas sempre em busca do propó-
sito de ser um estudioso da arte médica, entender a base das doenças e,
a partir disso, poder desenvolver técnicas de diagnóstico e tratamento,
curativo ou paliativo.
Após esse embasamento, o recém-formado e agora jovem médico deve
escolher e se dedicar ao estudo de uma das várias subdivisões da Medi-
cina – seja ela a Clínica Médica, a Cirurgia Geral, a Ginecologia e muitas
outras. Essa especialidade será alcançada por meio de um estudo na Re-
sidência Médica, que terá durão de acordo com o programa escolhido.
É durante a Residência Médica que o jovem médico se tornará apto a exer-
cer plenamente uma área com mais dedicação e ensinamento mais apro-
fundado, deixando de ser generalista. Para isso, ele deve estar consciente
de suas escolhas e de que a área que escolheu o preencherá como pro-
fissional e pessoalmente, para que possa estar satisfeito com as próprias
escolhas.
Já ao concluir a especialidade, novos desafios surgem a esse jovem pro-
fissional, novas dificuldades se apresentam na carreira e outras tantas
devem ser ultrapassadas para só então se firmar, em um emprego em
serviço público ou privado, abrindo o próprio consultório ou realizando
procedimentos mais invasivos.
Para o jovem médico, o que permanece são os ensinamentos de construir
aos poucos sua carreira, em bases sólidas e com decisões precisas, as
quais se refletirão no seu futuro mais distante.
O recém-formado
7
Residência Médica no exterior
Existe a possibilidade de o recém-formado realizar a sua Residência Médica
fora do Brasil, mas esse é um processo bastante complexo e varia de país
para país.
Aqui abordaremos o tema apenas de maneira geral. Como exemplo, expli-
caremos os passos gerais para o ingresso nos Estados Unidos.
O fato de haver uma avaliação e de ser um processo extenuante não é regra
só para aqueles que partem do Brasil. Se um profissional de outro local de-
seja ingressar na carreira médica em terras brasileiras, deve se submeter
a uma validação de seu diploma, processo sabidamente muito complicado.
Para se ter uma ideia, o Revalida, que revalida os diplomas de médicos for-
mados fora do país, já teve 1.184 candidatos, com apenas 67 aprovados
(cerca de 5%).
O consenso para atuar em outros locais são as avaliações de conhecimento bá-
sico, clínico e prático, bem como o conhecimento aprofundado do idioma local.
Além disso, existem as peculiaridades da Medicina em cada região, nas condu-
tas propriamente ditas ou nos aspectos legais e culturais.
Nos Estados Unidos
O médico formado fora dos Estados Unidos e interessado em fazer Resi-
dência nesse país deve submeter-se a alguns exames a fim de se qualificar.
Eles constam de um conjunto de provas concentradas nas áreas de Ciências
Médicas e Ciências Clínicas (o chamado United States Medical Licensing Ex-
amination – USMLE).
As avaliações são dividas em etapas, os chamados steps, e funcionam da
seguinte forma:
- Step 1: é a 1ª etapa do processo e tem como objetivo avaliar se o candi-
dato tem a capacidade de compreender e aplicar conceitos importantes
das ciências básicas para a prática médica. De maneira geral, abrange os
seguintes temas: Anatomia Humana, Fisiologia, Bioquímica, Farmacologia,
Patologia, Microbiologia, Epidemiologia e Tópicos Interdisciplinares, como
Nutrição, Genética e Envelhecimento. Os resultados, então, são relatados
com uma pontuação de 3 e outra de 2 algarismos. A pontuação mínima
para ser aprovado é de 189, no escore de 3 algarismos. Teoricamente, a
pontuação máxima é de 300;
- Step 2: essa é a 2ª etapa do processo. Visa avaliar se o candidato pos-
sui conhecimentos, habilidades e compreensão da ciência clínica essencial
para a prestão de assistência ao paciente, sob supervisão. O Step 2 é
subdividido em 2 exames:
•Step 2 CK (do inglês, Clinical Knowledge) é um exame de múltipla escolha
com o intuito de avaliar a clínica por meio de um conhecimento tradicio-
nal. O exame dura 9 horas e é constituído de 8 blocos de 46 perguntas
cada. Uma hora é destinada a cada bloco de perguntas. Os temas inclu-
sos nesse exame são as Ciências Médicas, como Clínica Médica, Cirurgia,
Pediatria, Psiquiatria, Ginecologia e Obstetrícia;
•Step 2 CS (do inglês, Clinical Skill) é um exame prático que pretende ava-
liar habilidades clínicas simuladas com pacientes por meio de interações,
em que o examinando interage com doentes padronizados retratados
por atores. Cada examinando enfrenta 12 casos clínicos e tem 15 minutos
para concluir a anamnese e o exame clínico de cada paciente, além de 10
minutos para escrever uma nota descrevendo os resultados, o diagnós-
8
tico diferencial e a solicitação de exames complementares. O Step 2 CS
é aplicado desde 2004 e, ao contrário do Step 1 e do Step 2 CK, deve ser
feito obrigatoriamente nos Estados Unidos. O exame é oferecido em 5 ci-
dades americanas: Filadélfia (PA), Chicago (IL), Atlanta (GA), Houston (TX)
e Los Angeles (CA);
- O Step 3 é a última etapa do processo e se destina a avaliar se o candi-
dato é capaz de aplicar desacompanhado o conhecimento e a compreen-
o da Ciência Biomédica e clínica essencial para a prática da Medicina. Os
diplomados em escolas médicas americanas normalmente realizam esse
exame no final do 1º ano de Residência. Médicos estrangeiros recém-licen-
ciados poderão fazê-lo antes de começarem a Residência, em cerca de 10
estados americanos.
O Step 3 ocorre em 2 dias de exame. Cada dia deve ser concluído dentro de
8 horas. O 1º dia de testes de múltipla escolha inclui 336 itens divididos em
blocos, cada qual constituído de 48 itens. Examinandos devem preencher
cada bloco dentro de 60 minutos. O 2º dia de testes de múltipla escolha
inclui 144 itens, divididos em blocos de 36 itens. E os examinandos devem
completar cada bloco dentro de 45 minutos.
Por fim, é fundamental ter cartas de recomendação de professores de uma
universidade americana, inclusive específica da área em que está pres-
tando. Isso é importante para o momento “colocão” (placement), em que
o candidato finalmente irá tentar ingressar nas universidades escolhidas,
o que é possível por contato direto do médico com os hospitais. Para sa-
ber dos hospitais em determinada área de especializão, o médico deve
consultar o The Directory of Residency Training Programs. Além de contato
direto, uma maneira de pleitear uma Residência é o serviço nacional com-
putadorizado de colocação em Residências, o National Resident Matching
Program (NRMP).
Após esses procedimentos, o candidato aplica-se para algumas universida-
des e aguarda ser chamado para entrevistas. Ele, então, deve ranquear as
universidades, as quais fazem o mesmo. Os dados são, dessa forma, cruza-
dos, obtendo-se o resultado final.
Fellowship
Fellowship é uma especialização realizada após a Residência Médica, que
tem por objetivos a atuação clínica e/ou a pesquisa. O fellowship clínico (clin-
ical fellowship) de modo geral pressupõe uma Residência Médica feita nos
Estados Unidos. Esse tipo de fellowship, por envolver contato clínico com o
paciente, requer que o candidato siga as mesmas normas estabelecidas para
uma Residência, submetendo-se, inclusive, às provas.
Observação e pesquisa
Médicos com Residências completas podem passar uma temporada de obser-
vação e/ou pesquisa em hospitais ou clínicas, em programas menos formais
do que o fellowship, sem contato clínico com pacientes. A possibilidade disso,
no entanto, depende de vários fatores: primeiro, a entidade precisa dispor de
tempo e pessoal para acomodar o observador e/ou pesquisador. Segundo, é
necessário saber onde existe a possibilidade de fazer um desses programas.
Geralmente, é preciso conhecimento pessoal com um profissional envolvido
nos projetos. Sempre que o médico estrangeiro pede permissão para se in-
cluir nesses projetos, ele deve esclarecer muito especificamente suas qualifi-
cações e objetivos profissionais. Para o médico que não tenha conhecimentos
pessoais com profissionais de destaque, pedidos de orientação podem ser
feitos diretamente para as faculdades de Medicina.
Esse foi o exemplo de Residência Médica nos Estados Unidos. Para maiores
detalhes sobre outros lugares do mundo, devem-se procurar informações
nos programas de Residência Médica do país em queso. Diversas organi-
zações trabalham apenas com programas de intercâmbio e podem auxiliar
os candidatos nos diversos trâmites do processo.
1
Angiologia e
Cirurgias Vascular e
Endovascular
1. Introdução
O médico angiologista e o cirurgião vascular e endovascular têm, muitas vezes, suas áreas confundi-
das e consideradas um mesmo tipo de especialidade. Mas, apesar da semelhança existente entre eles,
há difereas importantes. O angiologista é um médico que fez primeiramente Residência em Clínica
Médica e, posteriormente, Angiologia, sendo responsável por cuidar clinicamente das doenças vascu-
lares que não necessitam de intervenção cirúrgica. Porém, é muito difícil separar uma especialidade
da outra, pois as doeas vasculares, quando mais graves, geralmente necessitam de uma abordagem
cirúrgica e o paciente que procurou um angiologista terá de ser encaminhado a um cirurgião vascular
para solucionar sua patologia. O que temos na prática é que um angiologista pode tratar clinicamente
e o cirurgião vascular está apto a tratar clínica e cirurgicamente.
O cirurgião vascular é o médico responsável por abordar patologias dos vasos arteriais, venosos e lin-
fáticos. Esse mesmo médico pode atuar também em procedimentos endovasculares, pois o que era
antes uma subespecialidade da cirurgia vascular já está sendo incluída no preparo dos residentes du-
rante a Cirurgia Vascular. Com a melhoria das técnicas minimamente invasivas, esta tem ampliado sua
atuação em muitos procedimentos anteriormente realizados em grandes cirurgias abertas. As novas
técnicas têm sofrido aprimoramento a cada ano e têm melhorado a morbidade e mortalidade dos pa-
cientes frente a problemas como aneurismas de aorta e doenças tromboembólicas, pois o tempo de
recuperação é mais rápido, as incisões são menores e a internação em UTI tem seu tempo reduzido.
Todo o sistema circulatório é objeto de atenção da Cirurgia Vascular, com exceção do coração, que é
tratado pela Cirurgia Cardíaca, e os vasos dentro do crânio, que são de responsabilidade da Neuro-
cirurgia. O cirurgião vascular atua na circulação das pernas, do abdome, do pescoço e dos membros
superiores, além de corrigir artérias estreitadas ou dilatadas, veias ocluídas ou dilatadas e obstruções
dos vasos linfáticos. A sua missão é zelar pela saúde vascular dos pacientes, proporcionando bem-es-
tar, qualidade de vida e praticando Medicina com excelência.
Residência Médica
Entrada
- Cirurgias Vascular e Endovascular – Pré-requisito: Cirurgia Geral;
- Angiologia – Pré-requisito: Clínica Médica.
Duração 2 anos
Média de vagas no país
201:
- Norte: 3;
- Nordeste: 34;
- Centro-Oeste: 8;
- Sudeste: 122.
guia de
10
ESPECIALIDADES
2. Áreas de atuação
Dentro de uma visão prática, temos a atuação desse profissional em doenças venosas, encabeça-
das pelas varizes dos membros inferiores, tromboses, úlceras e as telangiectasias ou microvarizes.
As doenças das artérias têm sido motivo de muito estudo, como a arteriosclerose nas suas diver-
sas formas e localizações, recebendo grande atenção nesse contexto. Outras enfermidades que
merecem muita atenção são as angiológicas, como a isquemia cerebral; dos membros inferiores,
como gangrenas, úlceras isquêmicas, a claudicação intermitente e, por fim, as consequências des-
sas condições angiológicas, que são as amputações de membros.
O cirurgião vascular e o angiologista, este com exceção dos procedimentos cirúrgicos, tendem a
atuar nas patologias arteriais, como:
- Aterosclerose, arteriosclerose e arteriolosclerose;
- Úlceras arteriais;
- Acidente vascular encefálico decorrente de estenose e oclusão da arria carótida;
- Pé diabético;
- Claudicão intermitente;
- Aneurismas de aorta e outras localizações;
- Tromboses arteriais;
- Isquemias dos membros inferiores;
- Obstrão arterial aguda;
- Debridamentos, amputações e fasciotomias;
- Arterites e vasculites.
Patologias venosas como:
- Varizes, microvarizes e telangiectasias;
- Varicorragia;
- Úlceras venosas;
- Tromboflebites e tromboses venosas;
- Acessos venosos profundos para diálise e quimioterapia;
- Correção de fístulas arteriovenosas.
Assim como nas patologias dos vasos linfáticos:
- Linfangites;
- Linfedema;
- Celulite;
- Erisipela.
Essa é uma área que também permite a atuação para realização de exames de imagem como ultras-
sonografia com Doppler, laser e vários outros procedimentos de angiorradiologia e hemodinâmica.
Portanto, a Angiologia e a Cirurgia Vascular têm tido, nos últimos anos, um papel importante como
a ciência e a arte na vanguarda das pesquisas inerentes à circulação, o que tem traduzido melhora
no tratamento dessas enfermidades e, como consequência, na melhora da qualidade da vida das
pessoas.
Remuneração (média) – Angiologista
De R$5.000,00 a R$9.500,00
Remuneração (média) – Cirurgião Vascular
De R$11.000,00 a R$21.500,00
11
ANGIOLOGIA E CIRURGIAS VASCULAR E ENDOVASCULAR
3. Vantagens e di culdades
A vantagem proporcionada pela Angiologia e pelas Cirurgias Vascular e Endovascular é a oportuni-
dade de atuação em diversas frentes de trabalho, onde o pro ssional pode atuar em consultórios
particulares voltados para os cuidados estéticos ou patológicos de varizes e microvasos. Ele pode
trabalhar em prontos-socorros de trauma onde realiza abordagem nos grandes vasos para estan-
car sangramentos profusos. E, se preferir uma atuação mais tranquila, pode realizar exames de
imagem em ambientes distantes das correrias de situações emergenciais; ou seja, é um profi ssional
que tem um campo de trabalho mais abrangente.
Muitos profi ssionais, principalmente mulheres, têm buscado essa especialidade cirúrgica justa-
mente pela sua diversidade de campo de atuação, onde podem conciliá-la com a família e o lazer
com mais fl exibilidade.
As difi culdades encontradas nessa especialidade se encontram em seu início, pois o profi ssional
deve buscar contatos e se associar às sociedades de vasculares para buscar melhores empregos e,
com isso, obter maior tranquilidade em sua atuação médica.
O que o tornará um bom cirurgião vascular?
- Ser criativo e detalhadamente orientado e cobrar de si mesmo alto padrão de postura;
- Permanecer relaxado e confi ante, mesmo sob extrema pressão;
- Ter uma ótima destreza manual;
- Ter um olhar estético;
- Ter atenção redobrada diante dos casos mais graves;
- Ficar atento às patologias vasculares;
- Ter domínio sobre os procedimentos empregados.
4. Situação atual e perspectivas
A Angiologia e as Cirurgias Vascular e Endovascular têm caminhado para uma junção em suas
áreas de atuação, e o cirurgião vascular deve se mostrar um profissional mais completo para
auxiliar o paciente adiante da sua comorbidade, clínica ou cirurgicamente. Isso é observado
pela maior busca na área cirúrgica do que na área clínica. Outra mudança, ainda em andamento,
mas que marca a especialidade, é a realização cada vez mais frequente de procedimentos en-
dovasculares e minimamente invasivos. O que antes eram cirurgias extensas e dramáticas de
correção de aneurismas têm dado abertura a procedimentos sem cicatrizes e guiadas por ví-
deos e imagens quase em tempo real. E quem ganha são os pacientes, que tendem a se sub-
meter a procedimentos com menos riscos e recuperão mais rápida, aumentando, portanto,
sua sobrevida.
Angiologistas em atividade (dados em 2014)
Cerca de 1.637
Cirurgiões vasculares em atividade (dados em 2014)
Cerca de 3.541
guia de
12
ESPECIALIDADES
5. Estilo de vida
A qualidade de vida é um dos pontos fundamentais em uma carreira profissional, demonstrando o
quão satisfeito se está com a profissão escolhida, podendo-se conciliar profissão, família, viagens
e lazer. No começo de todas as carreiras profissionais, temos maior dificuldade de nos ajustar ao
mercado de trabalho e ultrapassar barreiras para só então alcançar a estabilidade tão almejada.
Com toda a abrangência de sua área de atuação, o profissional vascular tende a ficar mais satisfeito
por conseguir conciliar sua vida profissional e pessoal com mais tranquilidade do que seus outros
colegas cirurgiões. Pode, em alguns patamares da carreira, não trabalhar como plantonista e atuar
em consultórios, hospitais públicos e privados realizando interconsultas e avaliações durante o dia.
2
Cirurgia
Cardiovascular
1. Introdução
Desde a época colonial, há registros sobre tentativas de intervenções cardíacas no Brasil, porém to-
das mal-sucedidas. Somente em 1927 foi constatado o 1º caso bem-sucedido de uma cirurgia cardíaca
e, a partir de então, diversos aprimoramentos e aperfeiçoamentos foram sendo feitos dentro da ca-
deira. Hoje, apresenta avanços tecnológicos incríveis, e o Brasil não está fora desse desenvolvimento,
pois se encontra em nível semelhante ao dos países desenvolvidos. Normalmente a Cirurgia Cardio-
vascular é feita para tratar as doeas isquêmicas, a doença cardíaca congênita e as doenças das vál-
vulas cardíacas, incluindo o transplante cardíaco.
Residência Médica
Entrada Pré-requisito: Cirurgia Geral
Duração 4 anos
Rodízio nas áreas
- Ambulatório;
- Centro Cirúrgico;
- Urgência e Emergência;
- Radiologia Cardiovascular e Hemodinâmica;
- Estágios obrigatórios: Radiologia Cardiovascular e Hemodinâmica; Métodos
Vasculares Diagnósticos não Invasivos; Unidade de Terapia Intensiva; Pós-
-Operatório de Cirurgia Cardiovascular; Cirurgia Torácica; Angiologia e Cirurgia
Vascular; Circulão Extracorrea; Cirurgia Experimental; Anatomia Patoló-
gica e Hemoterapia.
Média de vagas no país
60:
- Norte: 1;
- Nordeste: 12;
- Centro-Oeste: 3;
- Sul: 12;
- Sudeste: 32.
2. Áreas de atuação
O cirurgião cardíaco pode atuar em diversos hospitais, fazendo cirurgias de pequeno, médio e grande
portes. As cirurgias podem ser abertas, fechadas, em hipotermia e minimamente invasivas, que uti-
lizam o auxílio da robótica. Algumas das cirurgias que os profi ssionais seo capazes de realizar são
GUIA DE
14
ESPECIALIDADES
3. Vantagens e di culdades
Essa é conhecida tradicionalmente como uma especialidade nobre, porém não mais a “menina dos
olhos” entre os estudantes de Medicina. Mesmo com todo o desenvolvimento e por promover a
melhora da qualidade de vida de muitas pessoas, diversos fatores ainda deixam em dúvida e afas-
tam alguns candidatos a cirurgiões cardíacos. Alguns dos problemas que afastam os recém-forma-
dos a seguirem essa carreira são o longo período de formação, o desencorajamento por outros,
colegas, informações falsas sobre o encerramento da especialidade e a baixa remuneração no
início da carreira.
Contudo, a carreira continua crescendo e se desenvolvendo, e pode-se adquirir uma sólida forma-
ção teórico-prática e se destacar no mercado. O que incentiva a optar por essa especialidade é que
a população está aumentando sua expectativa de vida e, com isso, cada vez mais precisa de inter-
venções cardiovasculares, que se tornarão mais prevalentes.
O que o tornará um bom cirurgião cardiovascular?
- Saber trabalhar em equipe;
- Suportar operações de grande porte;
- Ter ótima destreza manual;
- Conseguir lidar com cirurgias robóticas.
4. Situação atual e perspectivas
Os serviços já estão organizados, e poucos grupos se formam. Cabe ao médico recém-especiali-
zado se juntar a algum deles. Apesar de a curva de aprendizado da cirurgia ser lenta, com o tempo
o cirurgião cardiovascular ganha imensa importância dentro de uma equipe e no funcionamento
do hospital.
Cirurgiões cardiovasculares em atividade (dados em 2014)
Cerca de 2.220
revascularização do miocárdio, valvulares, aneurisma de aorta, implante de marca-passo, implante
de desfi briladores, transplantes e cardiopatias congênitas.
Remuneração (média)
De R$11.000,00 a R$21.500,00
5. Estilo de vida
Para o recém-formado, é importante se familiarizar com uma equipe já formada, com o objetivo
de desenvolver sua formão e viabilizar seu trabalho. E, como em qualquer profi ssão, essa princi-
palmente precisa de bastante dedicão e trabalho para que o pro ssional consiga atingir a reali-
zação pro ssional. A vida desse médico pode ser bastante ocupada, pois essa área permite que ele
trabalhe em diversos hospitais. Ele está mais predisposto a uma vida mais ocupada pela pro ssão,
o que diminuirá o tempo livre para outras áreas particulares.
15
CIRURGIA CARDIOVASCULAR
6. Subespecialidades
- Revascularização do Miocárdio;
- Valvulares;
- Aneurisma de Aorta;
- Implante de Marca-Passo;
- Implante de Desfibriladores;
- Transplantes;
- Cardiopatias Congênitas.
3
Cirurgia de
Cabeça e Pescoço
1. Introdução
A Cirurgia de Cabeça e Pescoço é uma especialidade médica que solicita como pré-requisito a especia-
lização de 2 anos em Cirurgia Geral. Essencialmente baseada em procedimentos cirúrgicos que visam
diagnosticar, prevenir, tratar e reabilitar os indivíduos que venham a desenvolver algum tipo de pato-
logia neoplásica maligna ou benigna, afecções congênitas ou infl amatórias que acometam as regiões
craniofacial e cervical, atua nas regiões facial, fossas nasais, seios paranasais, boca, faringe, laringe, ti-
reoide, paratireoide, glândulas salivares, tecidos moles do pescoço e tumores do couro cabeludo. O ci-
rurgião de cabeça e pescoço é, essencialmente, um cancerologista que lida com tumores dessa região e
os avalia individualmente para trar um plano terapêutico ou paliativo. Como em outras doenças on-
cológicas, os tumores de cabeça e pescoço poderiam ser diagnosticados precocemente. Contudo, por
apresentar sintomas pouco específi cos, somado à falta de informação da população e às di culdades
em realizar exames periódicos, a maioria dos tumores é diagnosticada em estadios mais evoluídos.
Essa especialidade é relativamente jovem, reconhecida como tal em 1982 pelo ofício CNRM 967/82. Em
1997, foi instituída a Sociedade Brasileira de Caba e Pescoço, onde os especialistas dessa área pude-
ram se encontrar e discutir a evolução da especialidade, por meio de simpósios, encontros e congressos.
Residência Médica
Entrada Pré requisito: Cirurgia Geral
Duração 2 anos
Média de vagas no país
55:
- Norte: 2;
- Nordeste: 10;
- Centro-Oeste: 1;
- Sul: 4;
- Sudeste: 38.
2. Áreas de atuação
O cirurgião de cabeça e pescoço atua em centros oncológicos, visando diagnosticar e tratar cirurgica-
mente tumores dessa aérea do corpo, e pode trabalhar em qualquer hospital que ofereça o serviço
de cabeça e pescoço, assim como em ambulatórios e consultórios médicos. Associado à sua atuação,
atualmente tende a atuar em conjunto com o cirurgião bucomaxilofacial e o otorrinolaringologista.