São Paulo, 29/06/2018 – Depois de rodadas de corte nos juros do crédito imobiliário alardeadas recentemente pelos bancos, que empurraram as taxas para o menor patamar em quatro anos, as instituições podem iniciar um movimento contrário, de acordo com o presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Gilberto Duarte. Jogam a favor dessa virada, sobretudo, o repique no mercado futuro de juros, diante do cenário mais adverso no exterior e das incertezas políticas e econômicas no Brasil, que se agravaram após a greve dos caminhoneiros.
“Como a curva de juro está muito alta lá na frente, ninguém tem apetite hoje de baixar mais os juros e carregar essa carteira em um momento de taxas mais altas”, afirma o presidente da Abecip.

Apesar da possibilidade de aumento dos juros associada a um crescimento menor no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro poder diminuir o apetite da pessoa física para tomar recursos, a Abecip mantém suas expectativas de crescimento para o crédito imobiliário neste ano. A entidade espera que o segmento, considerando os financiamentos com recursos da caderneta de poupança (SBPE) e o orçamento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), cresça 15% em 2018 ante o exercício anterior, totalizando R$ 116 bilhões.

Se concretizado, será o primeiro ano de expansão após três consecutivos de queda – e ainda o maior volume do segmento desde 2015, quando o crédito imobiliário movimentou R$ 128 bilhões. Abaixo, os principais trechos da entrevista:

Broadcast – Diante do cenário atual, com as perspectivas sinalizando que o PIB deve crescer menos esse ano, a Abecip considera rever suas projeções para o crédito imobiliário?
Gilberto Abreu –
 Estamos mantendo as projeções de crédito imobiliário para o ano. Dado o cenário da economia, que ainda está se estabilizando, imaginamos que será mais ou menos o número que falamos, de crescimento de 15%.

Broadcast – O cenário econômico se deteriorou após a greve dos caminhoneiros. Essa piora já impactou a demanda das pessoas por crédito imobiliário?
Abreu –
 A gente ainda não vê isso. Os números mensais de desembolso ainda estão dentro do esperado.

Broadcast – Contribui o fato de os juros do crédito imobiliário estarem menores que no ano passado?
Abreu –
 Os juros praticados no mercado hoje são praticamente os mesmos do melhor momento do setor de crédito imobiliário, entre os anos de 2013 e 2014, no período pré-crise. Se fosse apenas uma questão de preço, de disponibilidade de dinheiro, o mercado já estaria em outro ritmo, o que só reforça a ideia de que está faltando demanda.

Broadcast – Então, em um cenário normal, com o juro baixo, o desempenho do crédito imobiliário era para ser melhor?
Abreu –
 Sim. Daria para estar ainda melhor. Mesmo com preço mais acessível e os bancos com apetite para emprestar, não estamos vendo o volume crescer de uma maneira mais expressiva. É porque a demanda ainda está comedida.

Broadcast – Com a melhora do desempenho da poupança, não seria oportuno os bancos serem mais agressivos em taxa?
Abreu –
 A questão é a curva de juros longa. Se tivéssemos um cenário de longo prazo mais benigno, mais positivo, o movimento seria exatamente esse. Como a curva de juro está muito alta lá na frente, ninguém tem apetite hoje de baixar mais os juros e carregar essa carteira em um momento de taxas mais elevadas.

Broadcast – É melhor manter o pé no freio quanto aos juros?
Abreu –
 Não é nem uma questão de manter o pé no freio. Os clientes não estão tomando dinheiro, tanto na pessoa física quanto na jurídica. O volume de crédito às empresas ainda continua muito lento, o que mostra que o empresariado também está segurando novos projetos enquanto as pessoas físicas estão mais comedidas.

Broadcast – Mas os bancos ainda continuam seletivos na pessoa jurídica?
Abreu –
 Eu não acho que a palavra é seletivo. Os bancos estão emprestando para as empresas que têm saúde financeira. Não é ser seletivo. É boa prática bancária.

Broadcast: Até porque, a demanda de crédito para investimento ainda não aconteceu…
Abreu – 
Não. É difícil comentar, mas as empresas ainda estão esperando um pouco e segurando os seus investimentos.

Broadcast – Neste cenário, não devemos esperar novas quedas de juros no crédito imobiliário?
Abreu –
 Não imagino isso. Por incrível que pareça, exatamente por a curva de juros estar cada vez mais alta, pode ser ao contrário, de os bancos, apesar de não estarem conseguindo desembolsar todos os recursos que têm disponíveis, irem na direção contrária, de voltar até subir um pouco os preços.

Broadcast – Esse aumento do juro deve vir no curto prazo?
Abreu –
 Não tenho ideia. O mercado está acompanhando.

Broadcast – A regulamentação de distratos poderia ajudar a retomada dos investimentos?
Abreu –
 A regulamentação do distrato aumentaria mais o apetite dos incorporadores em retomar as obras, porque hoje, para eles, a insegurança jurídica é tremenda. Começam a obra sem saber se vão conseguir acabar ou não e, eventualmente, passando por uma pressão de caixa grande.

Broadcast – Há expectativa de que o tema seja aprovado no Congresso este ano?
Abreu –
 Temos a expectativa de que seja aprovado no Congresso. As associações de construtores e incorporadores têm sido muito mais ativas do que a gente nessa agenda, mas vemos a aprovação como um passo muito importante.

Broadcast – A regulamentação dos distratos esse ano pode fazer diferença nos números de 2019 do setor imobiliário?
Abreu –
 Sim. Aumenta o otimismo. Clareando o cenário político e econômico, e com fundamentação regulamentar para os incorporadores, que já é sólida no mercado de crédito imobiliário, vai estar todo mundo com mais apetite para fazer negócio. (Aline Bronzati – aline.bronzati@estadao.com)