Diferente do que você pode ter pensado, o Brasil não está na lista

Existem muitas maneiras de contar as riquezas de um país; a mais utilizada, claro, é o PIB– Produto Interno Bruto -, a soma de todos os bens de uma nação.

A empresa MoveHub, porém, gosta de utilizar uma outra abordagem: especializados em ajudar pessoas a mudar para outros países, eles realizam pesquisas esporádicas calculando o custo da locomoção, alimentação, mercados imobiliários e compras em geral para analisar o quão caro (ou barato) pode ser mudar-se para fora de seu próprio país.

Cada um desses tópicos gera um valor de 0 a 100, resultando em uma média – e, para termos de comparação, a companhia utiliza Nova York como a cidade de valor máximo (mesmo assim, os EUA acabam fora da lista, por causa do baixo custo de cidades do interior).

Com dados de 2017, a MoveHub calculou os 10 países mais caros para se viver no mundo. Confira a lista:

10. Luxemburgo | Placar: 64.18

Luxuosa em cada esquina, este pequeno Estado soberano fica na Europa Ocidental e faz divisa com três países: Bélgica, França e Alemanha

9. Qatar | Placar: 68.06

Passear pelas avenidas do Qatar é precisar se dividir entre olhar para o alto e perder os arranha-céus de vista e enxergar, no trânsito, Lamborghinis dividindo espaço com Ferraris. O emirado irá sediar a Copa do Mundo de 2022.

8. Emirados Árabes Unidos | Placar: 68.39

Localizado no Golfo Pérsico, os Emirados Árabes Unidos existem desde 1971 e englobam Abu Dhabi, Dubai, Sharjah, Ajman, Umm al-Qwain, Ras-al Khaimah e Fujairah.

7. Bahamas | Placar: 73.63

Com três mil ilhas, cayos e ilhéus, este é um dos destinos mais procurados por turistas em todo o mundo, graças às suas belezas naturais de tirar o fôlego. Sua moeda, o dólar bahamense, tem o exato mesmo valor de um dólar americano.

6. Noruega | Placar: 74.47

É claro que países escandinavos estariam nessa lista. Considerado o melhor país para se viver em diversas listas no passar dos anos, a Noruega tem o melhor IDH do mundo, com uma área de 385 mil km² e 5,1 milhões de habitantes.

5. Cingapura | Placar: 76.57

De acordo com o blog Singapore Life News, um pint de cerveja na cidade-Estado custa R$ 37,50. Então lembre-se: se você decidir passar as férias nesta região do Sudeste Asiático e tiver vontade de bebericar algo, é bom preparar o bolso.

4. Islândia | Placar: 80.47

O pequeno país que roubou a atenção do mundo durante a Eurocopa de 2016, graças ao seu status de zebra e uma torcida apaixonada – e muito engraçada – também é um lugar muito caro para se viver. O motivo? Com uma área muito pequena de solo fértil, o país precisa importar a maior parte de seus alimentos, aumentando muito seus custos.

3. Hong Kong | Placar: 81.93

Está surpreso com a aparição de Hong Kong na lista? Não deveria: Com 7,3 milhões de habitantes e uma área que não estava pronta para comportar um número tão grande de pessoas, morar em uma das duas regiões administrativas especiais da China (a outra é Macau) torna-se extremamente caro – mesmo com apartamentos minúsculos disponíveis.

2. Suíça | Placar: 90.68

Assim como a Noruega, a Suíça também é pintada como um “paraíso” (não apenas fiscal) para se morar, graças a um ótimo sistema de saúde e educação, além de uma ótima infra-estrutura. Mas tudo isso vem com um preço – que não é nem um pouco baixo.

1. Bermuda | Placar: 126.34

É isso mesmo: a escala de 0 a 100 foi completamente ultrapassada pelo território britânico. Outro paraíso fiscal, Bermuda traz na sua capital, Hamilton, a cidade mais cara para se viver em todo o planeta. As belezas naturais podem compensar todo o gasto – se você tiver esse tipo de dinheiro, é claro.

Fonte:EXAME