pág. 295

 

    O Eng. Murilo Ruiz, de alma criativa, estudando um projeto próximo à cidade de Registro, em local com 250 dias de chuva por ano, 50 de neblina e outros tantos inadequados à terraplenagem , sugeriu que se empregassem técnicas de construção usadas em aterros rodoviários e ferroviários da região e que, apesar do clima, foram executados até com sucesso.

Daí Sugeriu o projeto da Barragem de Eldorado (Cruz, 1974) mostrado na figura 9.18, no qual se propôs utilizar o que se chamou de "barragem de construção controlada". Lamentavelmente a obra ainda não foi construída.

    O exemplo ilustra um importante princípio de projeto, ou seja, a busca de uma solução alternativa que seja de fácil execução.

    Embora os volumes da alternativa de barragem fossem 80 % superiores aos de uma barragem de aterro compactado na forma convencional, provavelmente a obra resultaria mais econômica, porque exeqüível em 3 ou 4 anos, contra 8 ou 12 da solução convencional naquele local.

Um terceiro ponto onde o projetista desempenha um papel fundamental é no detalhamento do projeto. 

    Ao projetista cabe dar pesos (valores) próprios aos vários "elementos" ou "zonas" que compõem uma barragem. Por exemplo: os drenos; as transições; as proteções de taludes; os tratamentos de fundações, que podem incluir injeções, drenagens, trincheiras, remoção de camadas; o problema de sismos; e mesmo o núcleo e os espaldares.

    Na maioria dos casos, o custo unitário de um dreno ou filtro vertical em areia pode alcançar 10, 20, 50 ou 100 vezes o custo do solo compactado, ou o do enrocamento.

    O custo de um rip-rap pode representar algo como 10% do custo total do aterro compactado.

    O tratamento da fundação de uma barragem pode impor prazos construtivos que desloquem o cronograma da obra 4 a 8 meses, o que poderia ser evitado se as etapas fossem reavaliadas.

    Cabe ao projetista definir o que é essencial à performance da barragem, como por exemplo o sistema de drenagem interna, mas ao mesmo tempo buscar materiais alternativos de drenagem que cumpram as mesmas funções e que sejam mais baratos, ou de execução mais simples. Por exemplo, é sempre possível trocar brita 1 e brita 3 por uma camada única, mais espessa, de "cascalho de basalto" ou de um subproduto de britagem conhecido como "bica corrida", Areias "importadas" podem ser substituídas por areias artificiais. E por que não considerar o uso de geotêxteis e geogrelhas, por exemplo?

    O emprego de critérios rigorosos de filtro para transições granulométricas de rip-rap ou áreas internas entre zonas de barragens pode levar a um detalhamento desnecessário muito orenoso, de difícil execução e, numa proporção razoável de casos, dispensável.

____________________________________________________________________________________

 

pág. 447

 

    Soluções mista têm sido empregadas, visando à economia de concreto, que é sempre o item de maior custo (Fig. 13.3)

    A opção por uma ou outra solução depende da altura da barragem, ou seja, das pressões de contato (empuxos) que atuarão nas estruturas de ligação. Ávila (1980) menciona que, para barragens com altura de até cerca de 20 m, os muros frontais são mais econômicos. Para maiores alturas, os empuxos atuantes tornam as estruturas de concreto muito pesadas e antieconômicas, porque é freqüente a situação de se ter os empuxos atuando num só lado da estrutura, devido ao rebaixamento do reservatório na área da montante, ou do esvaziamento do canal de fuga ou da bacia de dissipação do vertedor por problemas de manutenção. Já os muros de "abraço" recebem empuxos de ambos os lados. É necessário, no entretanto, considerar que a incorporação do empuxo de jusante no cálculo do muro de abraço em concreto depende de algumas hipóteses de deformação não bem definidas e, em alguns casos, consideradas de forma inadequada.

    O dimensionamento dessas estruturas de contato deve atender aos seguintes itens:

(I) - estimativa dos empuxos devido ao solo e/ou ao enrocamento e a água;

(II) - controle do fluxo, que envolve tanto a vedação como a drenagem;

(III) - estimativa dos possíveis deslocamentos da estrutura e a conseqüência destes deslocamentos nos valores dos empuxos e no controle do fluxo.