36

Diamante: A pedra, a gema, a lenda

Classificações comerciais e industriais

Os diamantes podem ser classificados, de forma genérica, como gemológicos ou industriais. Uma modificação relativamente recente e importante dessa classificação é o desenvolvimento da classe dos quase-gemas (near-gems), uma classe intermediária entre as gemas e as pedras industriais, verificada durante a década de 80 com o surgimento da mina de Argyle (Austrália) e o crescimento conjugado da indústria indiana de lapidação.

Uma diferença fundamental entre as pedras gemológicas e as industriais, além da observada nos respectivos valores unitários, é a impossibilidade de fabricar diamantes gemológicos com preços e qualidade competitivos com os de origem natural, sobretudo nas pedras de maior qualidade. A Natureza é, até agora, a única fonte competitiva de diamantes aptos a serem gemas. Nas aplicações industriais, existe uma crescente tendência para a utilização de diamantes sintéticos, cuja granulometria e outras especificações podem ser melhor controladas. Um diamante gemológico tem, em média, um valor cerca de dez vezes superior ao de um near-gem e o deste é, também, cerca de 10 vezes superior ao de um industrial.

Gemas: diamantes gemológicos são aqueles cujos tamanho, forma, cor e pureza correspondem às exigências do processo de lapidação e aplicação em jóias e dos clientes finais. Uma das características fundamentais dos diamantes-gema é o caráter único de cada pedra. A variação das principais propriedades que dão valor aos diamantes brutos _ tamanho, cor, forma, claridade e integridade estrutural _ faz com que o mercado dos diamantes em estado bruto seja diferente dos de outros minerais, como o cobre, ouro, prata, etc., podendo ser estabelecidas dezenas de classes de diamantes com base nas propriedades referidas.

Quase-gemas (near-gems): diamantes near-gems são aqueles com impurezas substanciais ou outros defeitos que, em função das condições de mercado e dos custos de lapidação, podem tanto ser usados como gemas de custo mais baixo ou como diamantes industriais. Essa classe é particularmente


37

2 Características do diamante

importante, uma vez que permite promover algumas pedras que seriam classificadas como industriais, através do trabalho de lapidadores de custo mais baixo. As melhores qualidades desse tipo de diamantes são normalmente lapidadas; as qualidades inferiores são utilizadas em aplicações industriais mais específicas que as das aplicações dos diamantes classificados como industriais.

Industriais: diamantes industriais são os que apresentam propriedades que permitem sua aplicação industrial, principalmente dureza inigualável, uma das suas características fundamentais. A tenacidade do diamante será tanto maior quanto menor for o número de inclusões e/ou fraturas (também chamadas de jaças) internas. Os diamantes industriais naturais são aqueles com menor qualidade no que diz respeito à cor, tamanho, forma ou devido à presença de falhas estruturais.

Em termos puramente mineralógicos, os tipos industriais de diamantes podem ser agrupados em duas categorias, designadas como pedras industriais e agregados policristalinos (tal divisão pouco se aplica aos preços praticados pelo mercado para as duas categorias). As pedras industriais são diamantes comuns, monocristalinos, por vezes de grandes dimensões e beleza, porém com defeitos, e são utilizados - depois de moídos - somente em aplicações na indústria de ferramentas ou pastas diamantadas.

Das diversas maneiras que o diamante ocorre na Natureza, é comum a existência de cristais agregados, densamente compactados, podendo ou não mostrarem alguma forma definida. Não existe um consenso para a classificação do diamante policristalino. Dessa maneira, observa-se na literatura específica uma imprecisão entre o que são tipos definidos mineralogicamente e os conceitos que são puramente comerciais. Obras clássicas sobre o diamante, como a de Williams (1932), enquadraram como agregados cristalinos sete dessas variedades: bort, ballas, framesite, stewartite, short bort, hailstone bort e carbonado. Outros autores, no entanto, apropriadamente, consideram vários desses termos apenas como subtipos da variedade bort.

Bort: é a mais inferior das variedades do diamante, apresentando aspecto granular, cristalitos defeituosos, que podem ser desde microscópicos até visíveis a olho-nu. Sua coloração é cinza ou preta, devido à presença de inúmeras impurezas como inclusões.

Ballas: são massas mais ou menos esféricas de microcristais interdesenvolvidos, arranjados de forma aproximadamente concêntrica.


 

98

Diamante: a pedra, a gema, a lenda

Fig. 1.7 Os famosos diamantes lapidados Koh-i-Noor (108,90 quilates), Hope (44,50 quilates) e Estrela do Sul (128,48 quilates). Fotos Koh-i-Noor e Hope, in: Harlow, ed. (1998). Foto Estrela do Sul, in: Smith & Bosshart (2002).
Fig. 3.1 Cristal de diamante incrustado em matriz kimberlítica.

 

99

3 Geologia e mineralogia do diamante

Fig. 3.2 Composições química e mineralógica de peridotitos (lherzolíticos e harzburgíticos), e eclogitos (Kirkley, 1998).