Livro: Biodiversidade: a hora decisiva

Abreviaturas e Siglas

Apresentação

À maneira de prólogo

Parque Nacional de Brasília, DF

Parque Nacional do Araguaia, Tocantins

Parque Estadual Serra dos Pirineus, Goiás

Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí

Parque Nacional Pacaás Novos, Rondônia

Parques Nacionais do Descobrimento e Pau-brasil, Bahia

Estação Ecológica de Juréia-Itatins, São Paulo

Parque Estadual Serra do Conduru, Bahia

Parque Estadual de Itacolomi, Minas gerais

Parque Nacional do Iguaçu, Paraná

Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, Goiás

Introdução

I - Conceitos que nem sempre são claros

A natureza está morrendo: tem alguém que ainda duvida disso?

O que está em jogo

Lembrando as origens

O que é uma unidade de conservação: a complexidade das categorias e as confusões que geram

As unidades de conservação de uso sustentável ou uso direto no Brasil

Outras categorias, mais confusão e conclusão

II - As grandes mudanças e a nova situação das unidades de conservação na América Latina: uma síntese

Crescimento exponencial

Melhor representatividade ecológica, embora muito imperfeita

Áreas protegidas e "áreas protegidas": o crescimento das áreas protegidas de uso direto

As áreas protegidas públicas não estão mais bem manejadas nem mais bem cuidadas que antes

Orçamentos públicos magros, decadentes ou inexistentes

Aumento dos investimentos em conservação baseada na comunidade e diminuição dos investimentos nas unidades de conservação de uso indireto

Co-gestão, terceirização

Sucesso relativo das áreas protegidas vis-à-vis o manejo florestal

O surgimento das reservas naturais privadas

Os interesses acerca da biodiversidade passaram a dominar o cenário ambiental

Melhor informação pública e tomada de consciência

Sociedade civil organizada, paradigmas de transparência e participação

A explosão do turismo e do ecoturismo

Os indígenas e os "indígenas" sobem no palco

Os conflitos socioambientais

III - As causas das mudanças: impactos do novo contexto social, econômico e político sobre as unidades de conservação

Crescimento da população e pobreza: conflitos sociais

O crescimento econômico e a invasão dos últimos redutos naturais

Áreas protegidas: refúgios para algumas populações indígenas e um bom nagócio para outras

Neoliberalismo e globalização: diminuição do tamanho do Estado e a onda de privatizações

Os impactos das mudanças climáticas globais

As inesperadas aplicações da utopia do desenvolvimento sustentável

Fechando o circuito do século 20: do mito da inesgotabilidade da netureza ao desenvolvimento sustentável, passando pelo preservacionismo

IV - O problema de fundo: Pode a biodiersidade ser preservada sem unidades de conservação? As unidades de conservação de uso direto podem proteger efetivamente a biodiversidade?

Análise dos questionamentos sobre as unidades de conservação de uso indireto

Argumentos de origem científica

Argumentos de ordem política

Argumentos de tipo social

Discussão sobre as críticas às unidades de conservação de uso direto

Os erros e excessos do ambientalismo radical

Nem só de pão vive o homem: a ética não está completamente fora de moda

V - Antigas necessidades e novas oportunidades

O diálogo é possível, necessário e sempre frutífero

Uma proposta equilibrada: um objetivo sempre difícil

Convivência pacífica dentro das unidades de conservação de uso indireto

Finalmente: manejar as unidades de conservação

O papel essencial da sociedade civil

Criando opinião pública e apoio político para as unidades de conservação

Estimulando o setor privado a fazer mais

Prioridade política e dinheiro

Conclusão

Referências