Livro: Solos Marinhos da Baixada Santista

Introdução

Apêndice A – Um pouco de história

1 História Geológica dos Solos da Baixada Santista

1.1 Estudos geológicos iniciais e o comportamento de solos litorâneos

1.2 Avanços geológicos e seu significado geotécnico

1.3 Mecanismos de gênese das planícies sedimentares quaternárias paulistas

1.4 As baixadas litorâneas paulistas

1.5 As coberturas cenozoicas nas baixadas litorâneas paulistas

1.6 Formação da Paleobaía Santista

1.7 Tipos de sedimentos da Baixada Santista e da cidade de Santos – ação de dunas

Apêndice 1.1 – Os sambaquis

Apêndice 1.2 – O sobreadensamento das argilas marinhas norueguesas

Apêndice 1.3 – As variações do N.M. no litoral paulista

Apêndice 1.4 – Polêmica das oscilações negativas do N.M. no Quaternário

2 Questões Geotécnicas Anteriores a 1980

2.1 Um caso inusitado: um “bolsão” de argila altamente sobreadensada

2.2 Os tanques de óleo em Alemoa, Santos

2.3 A ponte sobre o Canal do Casqueiro

2.4 Fundações de edifícios na cidade de Santos

2.5 Os aterros na Baixada Santista

2.6 A geologia dos engenheiros antes da década de 1980

3 Estratigrafia e Litologia dos Depósitos Quaternários

3.1 Formações quaternárias marinhas, fluviolagunares e de baías

3.2 Reinterpretação de sondagens na Baixada Santista

3.3 Sedimentos transicionais

3.4 Sedimentos fluviolagunares e de baías na planície de Santos

3.5 Sedimentos ao longo da rede de drenagem – manguezais

3.6 Confirmação dos tipos de sedimentos com o uso do piezocone

3.7 Confirmação dos tipos de sedimentos com o SPT-T

3.8 Súmula

4 O Sobreadensamento das Argilas da Baixada Santista e da Cidade de Santos

4.1 Mecanismos de sobreadensamento na Baixada Santista

4.2 Argilas transicionais (ATs)

4.3 Argilas de SFL

4.4 Argilas de manguezais

4.5 Súmula

Apêndice 4.1 – Variação da pressão de pré-adensamento com a profundidade

Apêndice 4.2 – Uma confirmação das oscilações negativas do N.R.M

Apêndice 4.3 – Metodologia para determinar a pressão de pré-adensamento com base em CPTUs

5 Propriedades Geotécnicas dos Sedimentos

5.1 Composicão mineralógica, estrutura e teor de matéria orgânica

5.2 Características geotécnicas de classificação e identificação: a diferença

5.3 Propriedades de engenharia: a semelhança

5.4 Propriedades das argilas de SFL da cidade de Santos

5.5 Propriedades das areias

5.6 Súmula

Apêndice 5.1 – Dados de ensaios de laboratório

Apêndice 5.2 – Mineralogia, teor de matéria orgânica e estrutura (fabric)

Apêndice 5.3 – Variações de parâmetros geotécnicos: perfis e valores médios

Apêndice 5.4 – Índices de vazios e pressões de pré-adensamento para sedimentos argilosos

Apêndice 5.5 – Análise das características de compressibilidade oedométrica

Apêndice 5.6 – Análises detalhadas dos módulos de deformabilidade não drenada

Apêndice 5.7 – Análise de k e do Cv por ensaios de adensamento

Apêndice 5.8 – Ensaios para a medida do Ko

Apêndice 5.9 – Resultados de Vane Tests (ensaios de cisalhamento in situ)

Apêndice 5.10 – Ensaios de laboratório para a medida do f’

6 Aterros sobre Solos Moles

6.1 Adensamento

6.2 Rupturas

6.3 Súmula

Apêndice 6.1 – Estimativas do recalque final

Apêndice 6.2 – Método gráfico de Asaoka para a determinação do Cvv e do recalque primário final

7 Fundações Diretas sobre Solos Moles

7.1 Tanque de óleo em Alemoa

7.2 Edifícios em Santos

7.3 Súmula

Apêndice 7.1 – Método estatístico de Baguelin para determinar Cv e o recalque primário final

8 Capacidade de Carga de Estacas Flutuantes

8.1 Metodologia

8.2 Provas de carga analisadas

8.3 Atritos unitários medidos ou inferidos de provas de carga

8.4 Aplicação de métodos “teóricos” na estimativa do atrito lateral unitário máximo

8.5 Súmula dos métodos teóricos

8.6 Súmula

Apêndice 8.1 – As estacas do segundo grupo

Apêndice 8.2 – Métodos de cálculo “teóricos”

Conclusões

A gênese dos sedimentos

Classificação genética dos sedimentos argilosos

Sobreadensamento

A coluna estratigráfica

Propriedades de engenharia

Parâmetros de SFL

Aterros sobre solos moles

Edifícios com fundação direta

Estacas flutuantes

Considerações finais

Referências Bibliográficas