Livro: Fundações Vol. 2

Capítulo 10 – Introdução às Fundações Profundas

10.1 CONCEITOS E DEFINIÇÕES

10.2 BREVE HISTÓRICO

10.3 PRINCIPAIS PROCESSOS DE EXECUÇÃO E SEUS EFEITOS

REFERÊNCIAS

Capítulo 11 – Principais Tipos de Fundações Profundas

11.1 ESTACAS DE MADEIRA

11.2 ESTACAS METÁLICAS

11.3 ESTACAS PRÉ-MOLDADAS

11.4 ESTACAS DE CONCRETO MOLDADAS NO SOLO

11.5 ESTACAS ESCAVADAS

11.6 ESTACAS-RAIZ

11.7 MICROESTACAS – ESTACAS ESCAVADAS E INJETADAS

11.8 ESTACAS TIPO HÉLICE CONTÍNUA

11.9 ESTACAS PRENSADAS

11.10 TUBULÕES

REFERÊNCIAS

Capítulo 12 – Capacidade de Carga Axial – Métodos Estáticos

12.1 MÉTODOS ESTÁTICOS

12.2 MÉTODOS RACIONAIS OU TEÓRICOS

12.3 MÉTODOS SEMIEMPÍRICOS QUE UTILIZAM O CPT

12.4 MÉTODOS SEMIEMPÍRICOS QUE UTILIZAM O SPT

12.5 ESTACAS SUBMETIDAS A ESFORÇOS DE TRAÇÃO

12.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

Capítulo 13 – A Cravação de Estacas e os Métodos Dinâmicos

13.1 A CRAVAÇÃO DE ESTACAS

13.2 MÉTODOS DINÂMICOS: AS FÓRMULAS DINÂMICAS

13.3 A CRAVAÇÃO COMO UM FENÔMENO DE PROPAGAÇÃO DE ONDAS DE TENSÃO EM BARRAS

13.4 ESTUDOS DE CRAVABILIDADE

REFERÊNCIAS

Capítulo 14 – Estimativa de Recalques sob Carga Axial

14.1 MECANISMO DE TRANSFERÊNCIA DE CARGA E RECALQUE

14.2 MÉTODOS BASEADOS NA TEORIA DA ELASTICIDADE

14.3 MÉTODOS NUMÉRICOS

14.4 PREVISÃO DA CURVA CARGA-RECALQUE

14.5 INFLUÊNCIA DAS TENSÕES RESIDUAIS DE CRAVAÇÃO NO COMPORTAMENTO CARGA-RECALQUE

REFERÊNCIAS

Capítulo 15 – Estacas e Tubulões sob Esforços Transversais

15.1 CASO GERAL

15.2 A REAÇÃO DO SOLO

15.3 SOLUÇÕES PARA ESTACAS OU TUBULÕES LONGOS BASEADAS NO COEFICIENTE DE REAÇÃO HORIZONTAL

15.4 CÁLCULO DA CARGA DE RUPTURA

15.5 TRATAMENTO PELA TEORIA DE ELASTICIDADE

15.6 SOLUÇÃO PARA ESTACAS OU TUBULÕES CURTOS, BASEADA NO COEFICIENTE DE REAÇÃO HORIZONTAL

15.7 GRUPOS DE ESTACAS OU TUBULÕES

REFERÊNCIAS

Capítulo 16 – Grupos de Estacas e Tubulões

16.1 GRUPO DE ESTACAS

16.2 RECALQUE DE GRUPOS SOB CARGA VERTICAL

16.3 CAPACIDADE DE CARGA DE GRUPOS SOB CARGA VERTICAL

16.4 DISTRIBUIÇÃO DE ESFORÇOS ENTRE ESTACAS OU TUBULÕES DE UM GRUPO SOB UM CARREGAMENTO QUALQUER

REFERÊNCIAS

Capítulo 17 – Verificação da Qualidade e do Desempenho

17.1 MONITORAÇÃO DE ESTACAS NA CRAVAÇÃO

17.2 VERIFICAÇÃO DA INTEGRIDADE

17.3 PROVAS DE CARGA ESTÁTICAS

REFERÊNCIAS

Capítulo 18 – Problemas Especiais em Fundações Profundas

18.1 ATRITO NEGATIVO

18.2 ESFORÇOS DEVIDOS A SOBRECARGAS ASSIMÉTRICAS ("EFEITO TSCHEBOTARIOFF")

18.3 FLAMBAGEM DE ESTACAS

18.4 PROBLEMAS CAUSADOS PELA CRAVAÇÃO DE ESTACAS

REFERÊNCIAS

Apêndice 1 – Teoria da Semelhança entre o Ensaio Cone Penetrométrico e a Estaca

Apêndice 2 – Previsão da Resistência de Ponta de Estacas a partir do CPT pelo Método de De Beer