Caderno de Projetos

1 - Introdução 
1.1. Notação e sistema de unidades 
1.2. Terminologia 
1.2.1. Terminologia dos construtores 
1.2.2. Terminologia estrutural  
1.3. Madeiras empregadas 
1.3.1. Madeira serrada 
1.3.2. Madeira laminada e colada

2 - Cargas nas estruturas 
2.1. Carga permanente 
2.1.1. Carga equivalente em projeção horizontal 
2.1.2. Peso próprio das estruturas 
2.2. Efeito do vento sobre estruturas de madeira 
2.2.1. Cargas estáticas equivalentes da norma 
2.2.2. Fatores que afetam a velocidade característica 
2.2.3. Coeficientes de pressão, de forma e de arrasto

3 - Estática das estruturas planas 
3.1. Treliças isostáticas 
3.2. Estaticidade 
3.2.1. Quadros rijos 
3.2.2. Treliça hipostática 
3.2.3. Resumo - treliças planas 
3.3. Esquemas de treliças isostáticas 
3.4. Cálculo dos esforços nas barras 
3.4.1. Hipóteses fundamentais 
3.4.2. Métodos de cálculo 
3.5. Treliças associadas e contraventamentos

4 - Verificação de dimensionamento de estruturas de madeira 
4.1. Ações e segurança nas estruturas de madeira 
4.1.1. Definições  
4.1.2 Condições gerais   
4.1.3. Condições específicas 
4.2. Resistências 
4.2.1. Resistência dos materiais 
4.2.2. Valores representativos 
4.2.3. Valores de cálculo 
4.2.4. Particularidades para estruturas de madeira 
4.3. Verificação de resistência de peças de madeira 
4.3.1. Solicitações normais 
4.3.2. Solicitações tangenciais 
4.3.3. Estabilidade 
4.3.4. Estado limite de deformação excessiva 
4.4. Ligações 
4.4.1. Ligações com pinos metálicos (pregos e parafusos) 
4.4.2. Ligações com cavilhas de madeira 
4.4.3. Ligações com conectores 
4.4.4. Espaçamento entre elementos de ligação 
4.4.5. Ligações excêntricas por pinos

5 - Estruturas de madeira para telhados 
5.1. 1.º Caso - Estruturas para coberturas residenciais 
5.1.1. Tesoura Howe 
5.1.2. Tesoura Fink 
5.1.3. Vigas armadas de alma cheia 
5.1.4. Estrutura pontaletada 
5.1.5. Estrutura em arco invertido (telhado com quebra em rabo de pato) 
5.2. 2.º Caso - Estruturas para cobertura de galpões industriais,
cinemas e quadras de esportes 
5.2.1. Viga em treliça 
5.2.2. Estrutura tipo Shed 
5.2.3. Estruturas com balanço 
5.2.4. Estrutura com banzo curvo - viga ou trave Bowstring 
5.2.5. Considerações gerais do projeto e da execução 
5.2.6. Contraventamento de tesouras 
5.2.7. Espigão 
5.2.8. Normas de segurança no transporte e içamento de treliças 
5.3. Pórticos 
5.3.1. Contraventamento de pórticos 
5.4. Arcos 
5.5. 3.º Caso - Coberturas especiais 
5.6. Estabilidade lateral de treliças planas, pórticos e arcos 
5.6.1. Treliças 
5.6.2. Pórticos e arcos 
5.6.3. Flambagem longitudinal de arcos 
5.6.4. Treliças pré-fabricadas

6 - Projetos 
6.1. Projeto da armação de um telhado para coberturas com telhas cerâmicas 
6.1.1. Dados 
6.1.2. Esquema estrutural e especificações 
6.1.3. Projeto da armação 
6.2. Projeto da armação de um telhado para coberturas com 
chapas onduladas de fribocimento 
6.2.1. Dados 
6.2.2. Especificações 
6.2.3. Projeto da cobertura 
6.2.4. Anteprojeto da tesoura 
6.2.5. Projeto da tesoura 
6.2.6. Projeto das terças 
6.2.7. Cálculo das tesouras - forças concentradas nos nós 
6.2.8. Cálculo das tesouras - esforços solicitantes nas barras 
6.2.9. Cálculo das tesouras - verificação das barras 
6.3. Projeto de um arco de alma cheia 
6.3.1. Considerações preliminares 
6.3.2. Cálculo estático dos arcos 
6.3.3. Projeto de um arco biarticulado de alma cheia 
6.4. Tesoura sobre três apoios 
6.5. Projeto de uma cobertura para abrigo de automóvel 
6.5.1. Dados 
6.5.2. Verificação das vigas principais de cobertura (6 x 40 cm) 

7 - Forros (tarugamento) 
7.1. Forros de madeira 
7.2. Forro de placas pré-fabricadas 
7.3. Apoio do tarugamento nas tesouras

Princípios e critérios do Conselho de Manejo Florestal (FSC) 

Princípio 1: Obediência às leis e aos princípios do FSC 
Princípio 2: Responsabilidade e direitos de posse e uso da terra 
Princípio 3: Direitos dos povos indígenas 
Princípio 4: Relações comunitárias e direitos dos trabalhadores 
Princípio 5: Benefícios da floresta 
Princípio 6: Impacto ambiental 
Princípio 7: Plano de manejo 
Princípio 8: Monitoramento e avaliação 
Princípio 9: Manutenção de florestas de alto valor de conservação 
Princípio 10: Plantações